12 janeiro 2009

Pressão de ser líder...

O Futebol Clube do Porto voltou a empatar no Dragão a zero, num jogo com muitas oportunidades de golo esbanjadas e que lhe valeu a perca da liderança no campeonato. Um jogo de sentido único desde o início da partida, com Lisandro, Hulk, Rodriguez, Lucho e companhia a perderem consecutivas oportunidades de golo, algumas delas clamorosas e outras cortadas em cima da linha de golo, inclusivamente por jogadores do Porto! Mas mais do que esgrimir argumentos para justificar o empate convém retirar ilações deste resultado.
1º O Porto jogou sobre pressão, já que foi o último dos candidatos ao título a entrar em campo e sabia de antemão que os seus perseguidores tinham vencido os seus jogos. A equipa simplesmente não teve o estofo necessário para aguentar apressão . Jogando contra uma equipa que denotou imensas fragilidades defensivas, construíu diversas oportunidades de golo, muitas delas flagrantes à boca da baliza, mas acusou em demasia a pressão de continuar a ser líder. Entrou bem na partida, falhou logo duas boas oportunidades no 1º minuto de jogo e permitiu que depois o Trofense se adaptá-se ao seu esquema táctico e se intrincheirá-se na defesa. Faltou acima de tudo discernimento para levar de vencida um pobre Trofense, que veio ao Dragão claramente para jogar em contra-ataque e defender com os seus homens atrás da linha da bola. Um campeão é-o a ganhar também ás equipas da metade inferior da classificação e como alguém já disse: " É contra as equipas pequenas que se vencem campeonatos". E nesse aspecto a equipa já falhou por diversas vezes esta época.
2º Começa a ser recorrente ver Lisandro e Lucho desperdiçarem golos de finalização fácil, à boca da baliza. Uma vez mais, Lisandro não foi o matador que se sabe ser, desperdiçou e errou em demasia. Será que continua a desesperar por um bom contrato? Lucho passeia literalmente pelo campo, falha quando deve ser o matador a que nos habituou e tem sido um espelho do jogador que encantou as plateias no Dragão. Parece-me claramente propositado e sinceramente há muito que não acredito que esteja na equipa de corpo e alma, teremos um novo caso Quaresma? Quer sair desde o ínicio da temporada e parece só render na Champions! Os dois argentinos estão alheados do jogo e dos objectivos da equipa e isso reflecte-se nos resultados, porque são duas importantes peças do esquema táctico do Porto. Prova disso, são as declarações de Lucho no final da partida que denunciam a displicência com que também encara os jogos: " Há que seguir o nosso trajecto com calma. Temos um grande plantel e no final do ano seremos campeões, por certo." É muita confiança para quem tão pouco demonstra em campo os argumentos que fizeram dele um dos ídolos do Dragão.
3º Jesualdo Ferreira continua a dar pontápés no ar. Depois de cada conferência em que denota uma confiança excessiva na equipa, segue-se sempre um resultado pouco satisfatório. Ficou célebre a frase antes do duelo com o Sporting para a Supertaça: " Ganhar no Porto é como escovar os dentes". Desta vez limitou-se a dizer que:" Há primeira todos caiem, mas há segunda só cai quem quer! " Levando à letra as suas palavras o Porto perdeu a liderança porque quis...A arrogância fica-lhe mal e o Porto tem pagado caro com isso!
4º Os erros da equipa de arbitragem neste jogo custaram ao Porto um pénalti claro sobre o Lisandro, mas estes erros não desculpam a ineficácia do ataque e os sucessivos empates caseiros. Este é o segundo jogo consecutivo no Dragão a empatar e novamente sem golos, o último tinha sido contra o Marítimo. Um novo dado, é que os portistas têm tantos pontos esta época em casa como fora de portas: 14. Apesar de ser normal as equipas se fecharem em bloco no seu meio-campo quando actuam no Dragão, a equipa do Porto tem que ter as armas e as soluções capazes para abrir as defesas contrárias e principalmente, aproveitarem as oportunidades de golo que surjem constantemente. Já aqui deixei expresso por diversas vezes, o meio-campo do Porto não funciona quando tem a responsabilidade de abrir as defesas, falta-lhe a criatividade e a imaginação de ver os espaços onde eles ainda não existem, a equipa precisa de um típico 10. Até porque, em todas as épocas as equipas "metem no autocarro em frente da baliza" e nem por isso o Porto deixou de ganhar os seus jogos. Estou certo, que na partida de ontem bastaria uma única oportunidade ao ataque do Trofense para desfeitear Heltón. A não esquecer que, a última vez que o Porto desperdiçou tantos pontos em casa, perdeu o campeonato!
5º Onde está o corrosivo Pinto da Costa? Alguém o viu? É preciso que, aliás como sempre fez e bem, se sirva da comunicação social para lançar os seus já conhecidos e corrosivos ataques às arbitragem avermelhadas, principalmente nesta fase em que a pressão benfiquista sobre os árbitros vai dando frutos e pontos importantes. O SC Braga só terá sucesso nas suas pretensões de expôr a nú a tendenciosa arbitragem da partida no Estádio da Luz, se tiver apoio do Porto nesta altura. Todos têm reclamado o seu quinhão de fortuna perante os árbitros e o Porto vê com complacência todo o burburinho que se levanta, com prejuízo para o clube na maioria dos casos!
6ºA equipa voltou a falhar num momento decisivo da época, numa altura em que tinha todas as armas para poder vir a distanciar-se em breve da concorrência. Fevereiro vai ser um mês terrível com jogos para a Champions e verdadeiras finais no campeonato com Benfica e Sporting. O próximo embate para a Liga tem lugar em Braga, contra uma equipa ferida no orgulho e a necessitar de pontos para se aproximar do trio da frente. A ver vamos, até quando se vai manter a displicência no Dragão, até porque: "vale mais um passarinho na mão do que dois a voar" e o Porto tem que agarrar a liderança de vez e descolar para celebrar o campeonato em Maio.

Sem comentários: