01 dezembro 2007

Dragão voou mais alto na Luz

Em dia de clássico na Luz o estádio encheu por completo para ver um dos maiores duelos do futebol português. A jogar frente ao seu público e com a diferença pontual em 4 pontos previa-se um SL Benfica a entrar forte na partida para tentar chegar perto do 1º lugar. O Benfica apresentou a mesma equipa que defrontou o Milan para a Liga dos Campeões, já no Porto Stepanov desastrado no jogo de Liverpool foi para o banco por troca com Pedro Emanuel, Marec Cech cedou o seu lugar a Fucile e Mariano Gonzalez a Tarik. Logo a abrir e no primeiro minuto a primeira oportunidade de golo com Nuno Gomes a desperdiçar na cara de Hélton, com Pedro Emanuel a cortar em carrinho para canto. Foi apenas a partir do primeiro quarto de hora que os Dragões se começaram a soltar da pressão exercida pelos da casa e a impôr o seu melhor jogo.Foi um domínio esclarecido aquele a que se assistiu pelos azuis até ao seu primeiro golo na partida, já perto do intervalo. Pelo meio algumas oportunidades de golo, com a mais flagrante a ser desperdiçada por Lisandro na cara de Quim e um penálti que Jorge Sousa não assinalou por falta de David Luiz sobre Lisandro Lopez, que foi agarrado e impedido de chegar à bola de forma demasiado evidente. Mas logo depois houve magia, Quaresma avançou pela direita em velocidade, ultrapassou David Luiz e na cara de Quim remata em trivela para o primeiro golo. Um golo justificado pela primeira parte muito forte do Porto, que dominou a equipa do Benfica que só raramente conseguiu incomodar a defesa azul e branca. A segunda parte do jogo começa com o Benfica a carregar sobre o Porto, um domínio consentido pois raramente o Benfica conseguiu ser perigoso, pese embora um ou outro remate de fora da área a criar maior perigo, aos quais Hélton respondeu sempre bem. Jesualdo Ferreira desta vez não se acanhou e lançou na partida Hélder Postiga, Mariano Gonzalez e Mario Bolatti, soluções de ataque para tentar chegar ao segundo golo e dar maior consistência ao meio campo, jogadores de transições fortes, numa aposta clara no contra ataque. O jogo termina com o Porto a dominar no meio-campo do Benfica, que não mostrou capacidade para se bater de igual com o bi campeão nacional. O FC Porto foi melhor e dominou os pontos chave da partida, só na emoção o Benfica conseguiu chegar perto da área de Hélton, onde aguardava o implacável Bruno Alves ( que grande jogo ) que pelo ar e pelo chão resolvia grande parte das investidas dos comandados de Camacho. Com esta derrota em casa, termina a série de jogos sem perder do Benfica para o campeonato que já vinha desde a última época e confirma-se o Porto como o grande candidato ao título nacional, agora com sete pontos sobre o adversário do jogo de ontem.

Sem comentários: